Qual é o Limite de Peso Recomendado: Legislação, Conceitos, NIOSH e 5 Dicas

July 29, 2016

Limite de Peso Recomendado: Saiba qual o peso que uma pessoa pode levantar, seja homem ou mulher, alto ou baixo, forte ou franzino.

 

 

Essa talvez seja uma das maiores dúvidas com relação à ergonomia. 

 

No dia a dia, alunos, professores, técnicos, engenheiros, médicos, operadores questionam sobre vários fatores envolvendo o levantamento manual de cargas: Quanto uma pessoa pode levantar de peso sem se machucar? 25kg, 40kg, 60kg?… 50% do seu próprio peso? Existe um limite recomendável? O homem pode levantar cargas mais pesadas que as mulheres? Existe uma norma ou lei que determine um valor? É possível calcular um limite de valor ou saber se uma situação de trabalho na minha empresa está oferecendo risco?

 

Muitas pessoas pensam que o limite para se levantar uma carga está relacionado única e exclusivamente à massa desta carga. Vale o quanto pesa! Alguns acreditam que o sexo é importante, homens são mais fortes por isso suportam cargas mais pesadas do que as mulheres, ou se “o cara” for mais robusto “aguenta mais”…

 

Mas existem muitos fatores e considerações que não se restringem apenas ao peso que está sendo levantado propriamente dito, muito menos às características do individuo.

 

Responda rápido: O que pesa mais? 15 kg de palha ou 15 kg de chumbo?

Se você respondeu que os dois têm o mesmo peso, pois possui a mesma massa, a resposta  está errada. Depende! Do ponto de vista ergonômico a palha pesa mais, pois seu volume é maior ficando distante do individuo o que dificulta o levantamento uma vez que o esforço para manter essa carga é maior. Quem nunca ouviu? “Não é pesado, é desajeitado.”

 

A CLT – Consolidação das Leias do Trabalho, art. 198/199, e Convenção OIT n.127, determinam um limite de 60 kg para homens e 25 kg para mulheres. Mas não precisa ser nenhum gênio para concluir que esse padrão está ultrapassado. Para se ter uma ideia, esse valor foi estipulado com base nas sacas de café que pesavam 60 kg.  Já a Norma Regulamentadora NR 17 que trata especificamente sobre ergonomia não define nada.

 

Imagine que você está em uma produção. Uma fábrica de chocolates. Pois bem, vamos pegar um dos setores, a área de recebimento de matéria-prima. Nesse setor são descarregados sacos de açúcar de 50 kg e caixas com gordura que pesam 30 kg. Tanto o sacos, como as caixas estão acondicionadas em paletes de madeira e envolvidas por um filme plástico “Stretch”. O operador de empilhadeira leva esses paletes até a entrada de um moinho onde serão despejados os sacos de açúcar e ao lado uma espécie de grade aquecida que tem a função de derreter a gordura.

 

Está havendo muitas queixas de dores nas costa por parte dos funcionários desse setor. Fato comprovado pelo número de afastamentos que vem aumentando de forma exponencial. O gerente que é Engenheiro de Produção está decidido a por um fim nesse problema e convoca uma reunião envolvendo a liderança da fábrica e alguns profissionais da área de suporte. Chama o Médico do Trabalho, o Técnico e o Engenheiro de Segurança, um Fisioterapeuta recém contratado etc.

 

Após apresentar as estatísticas de afastamentos do setor de recebimento e a influência que está havendo com os indicadores de produção da empresa, ele se vira pra você e pergunta, qual a sua opinião? O que podemos fazer para solucionar esse problema?

 

Essa história é baseada em fatos reais e tenho certeza que muitos de vocês já se depararam com uma situação similar. Se não, acreditem, mais cedo ou mais tarde isso irá ocorrer.

Quando se fala em limites envolvendo cargas/pesos, primeiro precisamos separar as ações: levantamento manual de cargas de movimentação com uso de uma transpaleteira ou carrinho manual.

 

Nesse post iremos tratar especificamente de levantamento manual de cargas. Vamos deixar a movimentação com carrinhos para outro dia, ok?

 

A comunidade Européia determinou, por consenso, 25 kg. Porém, a ACGIH (American Conference of Governmental Industrial Hygienists), entidade que determina os limites de tolerância toma como aceitável 32 kg.

Couto estabeleceu limites utilizando três tabelas com bases cientificas nas recomendações da própria ACGIH no ano de 2005. Os limites tem como base fundamentalmente três variáveis principais: 1) frequência do levantamento, 2) distância vertical (altura entre a carga e o piso) e 3) distância horizontal (distância entre o individuo e a carga).

Porém, uma das ferramentas mais utilizadas e aceitas no meio. De uso universal, que apresenta uma boa precisão e considera diversos fatores é a equação de NIOSH. Com ela, pode-se definir de forma objetiva e quantitativa qual o limite recomendado para o levantamento manual de uma carga. E é sobre essa ferramenta que vamos falar.

A equação é essa:

LPR = Cc X FDH X FAV X FDVP X FA X FFL X FQP

Sendo:

LPR =Limite de peso recomendado

Cc = Constante da carga = 23 kg;

FDH = Fator distância horizontal

FAV = Fator altura vertical

FDVP = Fator distância vertical percorrida

FA = Fator de assimetria

FFL = Fator de frequência de levantamento

FQP = Fator de qualidade da pega.

Foi proposto por NIOSH (National Institute for Occupational Safety and Health, nos Estados Unidos) na década de 1990, um limite máximo razoável para o levantamento de cargas, cujo valor é 23 kg, em condições ideais, podendo ser reduzido significativamente conforme as condições do posto de trabalho onde a atividade é realizada.

 

É importante ressaltar que esse limite de 23 kg, não garante uma segurança de 100%. Existem muitos fatores que contribuem para os acometimentos da coluna vertebral além da atividade de levantar pesos. Pré-disposição, idade, hábitos de vida entre outros. Podemos dizer conforme a literatura que o limite de 23 kg garante uma margem de segurança para 95% dos homens e 90% das mulheres consideradas saudáveis (sem histórico de lesão, por exemplo).

 

Vale ressaltar que esse limite de 23 kg é para uma condição ideal. Mas o que seria uma condição ideal?

 

Vamos voltar a história contada acima.

Os postos do setor de recebimento e as características da atividade deveriam possuir as seguintes especificações:

A frequência de levantamentos deve ser de um levantamento a cada cinco minutos, ou dentro de um espaço de tempo ainda maior.

O saco ou caixa deveria estar a no máximo 25 cm do trabalhador e a uma altura acerca de 75 cm do piso. Isso pode ser feito com o uso de uma plataforma pantográfica, por exemplo.

 

 

A carga deve ser apanhada de frente, sem que o individuo torça o tronco. Muitas vezes o arranjo físico não permite essa postura simétrica.

A distância entre a origem e o destino do levantamento não deve ser superior a 25 cm. O recipiente deve permitir uma boa qualidade de pega, no exemplo acima o saco oferece uma pega pobre, já a caixa de gordura uma boa pega. Veja as imagens abaixo: Boa pega, pega razoável e pega pobre (ruim).

 

 

No caso do posto não estar dentro desses parâmetros, deve-se considerar no cálculo fatores que na multiplicação irão reduzir o limite de 23 kg para 20 kg, por exemplo.

A eficácia dessa equação é permitir encontrar um limite de peso conforme as condições de cada posto. E a dica é utilizar o princípio da engenharia reversa para melhorar as condições desse posto, por exemplo: Se o fator que está te penalizando é a altura vertical, recomenda-se uma bancada com altura igual a 75 cm de altura.

A comunidade Européia considera esses mesmos fatores, porém parte da constante de 25 kg ao invés de 23 kg.

5 Dicas para adequar um posto de trabalho com atividade de levantamento manual de carga:

 

1. Na hierarquia das soluções deve sempre estar a eliminação da ação técnica. Pense em alternativas que poderiam eliminar o esforço por parte do trabalhador. Uso de uma empilhadeira, sistemas de polia, ponte rolante, talha;

2. Reduzir o peso da carga para no máximo 25 kg no caso de sacaria por exemplo. É mais fácil para um fornecedor reduzir um saco que hoje pesa 50 kg para metade desse valor;

3. Preferir o fornecimento por big-bags e dessa forma adequar o leiaute para receber esse tipo de embalagem. Com isso é possível aumentar a produtividade da linha e eliminar uma ação técnica que não agrega valor (exemplo de solução para o caso relatado acima);

4. Respeitar os limites descritos acima: altura vertical e horizontal, frequência de levantamentos/minuto, distância percorrida, qualidade da pega, postura simétrica no momento de pegar a carga;

5. Reduzir a duração da jornada em atividades envolvendo o levantamento manual de cargas, o ideal é esse tempo ser menor que uma hora. Ou de uma a duas horas, no máximo.

 

Num post futuro iremos falar mais a respeito da utilização e aplicação da equação de NIOSH para calcular o LPR – Limite de Peso Recomendado.

 

Espero que daqui para frente essas considerações permitam a vocês uma análise mais precisa e menos subjetiva das atividades envolvendo o levantamento manual de cargas.

Abraço e bom trabalho!

 

 

 

Please reload

Posts Em Destaque

A Engenharia da Ergonomia - Parte 1

September 6, 2017

1/3
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags