© 2018 por Ergotríade Gestão de Ergonomia

  • Facebook App Icon
  • YouTube Social  Icon

3 dicas ergonômicas para quem gosta de pedalar

July 28, 2016

Um amigo que voltou a pedalar recentemente disse que ficou em choque quando viu o preço das bicicletas e acessórios. De fato, a coisa mudou muito, evoluiu muito e, obviamente, ficou proporcionalmente mais cara. Se você tiver mais ou menos a minha idade, ou seja, uns 30 e poucos anos, deve ser da época em que bicicleta se resumia a Caloi e Monark. Deve se lembrar da lendária Caloi 10 ou da Caloi Ceci com aquela cestinha na frente. É, os tempos mudaram muito de lá para cá.

 

 

 

 

Com o avanço da tecnologia as bicicletas ganharam quadros mais leves, de alumínio, titânio e até de fibra de carbono. Os antigos freios tipo ferradura agora são a disco, com tecnologia similar a usada em motocicletas. Sistemas de amortecimento são tão avançados quanto os utilizados em veículos esportivos de alta performance. Enfim, a tecnologia de ponta chegou definitivamente nesse meio. Hoje, existem bicicletas que custam mais de 40 mil reais, isso mesmo, praticamente dois carros populares.

E como pedalar tem tudo a ver com ergonomia, resolvemos despertar ou reacender seu interesse pelo pedal, começando com três dicas importantes que podem te ajudar a pedalar com mais ergonomia.

 

1. Pense no trio: ciclista x terreno x bicicleta.

Esse talvez seja o segredo para pedalar aproveitando ao máximo e com o máximo de segurança.

a) O ciclista: Se você não tem muita prática ou se está retornando ao esporte depois de muito tempo parado, tenha cuidado. Comece em casa, num lugar tranquilo, sem carros ou obstáculos, vá acostumando-se aos poucos. Consulte um médico antes de iniciar, pois pedalar é um esporte que exige bastante da função cardiopulmonar. E não se esqueça dos alongamentos, tanto para as pernas quanto para os braços e costas.

b) O terreno: Considere elementos como o tipo de solo, a presença de areia, cascalho, água e buracos. E, como nem sempre você pode prever o que vem pela frente, não deixe de usar um bom capacete específico para ciclismo. Este equipamento pode ser encontrado em lojas de esporte e custa muito pouco comparado com a segurança que oferece em casos de queda.

c) A bicicleta: Se a sua bicicleta é velha ou estava guardada há muito tempo, antes de colocá-la de volta à ativa, mande-a para a revisão a fim de checar pneus, freios, quadro e tudo mais. Agora, se você acabou de comprar uma bike novinha, então é melhor conhece-la bem, pegar o jeito antes de partir para um terreno acidentado ou para o trânsito da cidade.

 

2. Escolha a bicicleta certa para você.

Se você quer uma bicicleta para locomover-se nas cidades, certamente vai adorar a Caloi Urbe. Ela é dobrável, leve, ideal para uso urbano. É uma solução muito interessante em tempos onde a responsabilidade socioambiental está em alta. Mas você também encontrará opções para lazer, para percursos radicais, para velocidade ou para encarar trilhas. O ideal mesmo é consultar uma loja especializada, que terá várias opções e  pessoas treinadas para lhe orientar da melhor maneira.

 

 

 

Quando você já tiver escolhido o modelo, será hora de escolher o tamanho certo. Atualmente existem vários tamanhos de quadro, que geralmente é a tomada da medida entre a caixa do pedivela e o encaixe do selim. Mas, esse padrão é mais usual em bicicletas tipo speed, ou seja, as bikes de velocidade, aquelas como a antiga Caloi 10. Nas mountain bikes, os quadros normalmente são menores, para que o ciclista tenha mais agilidade nas trilhas. Pesquisando um pouco, encontramos vários sites, principalmente dos Estados Unidos, que explicam como descobrir qual a medida certa de um quadro para você.

 

Primeiro meça a altura do seu cavalo, depois divida por 2,54 para transformar em polegadas e, por último, subtraia 14. Pronto, o resultado é o tamanho do quadro ideal para você.

 

 

 

Vejamos um exemplo considerando um ciclista de 1,80 m de altura, cujo cavalo meça 82 cm:

((82 / 2,54) – 14) = 18,3… Ou seja, um quadro padrão 18,5” será ideal para este ciclista.

 

3. Regule corretamente o selim

Como quase tudo na vida, a regulagem do selim não é um consenso absoluto. Há diferentes técnicas para se chegar ao ponto ideal. Porém, a mais recorrente é a multiplicação da altura do cavalo por 0,885, fórmula desenvolvida pelo técnico de ciclismo francês Cyrille Guimard. Esse ajuste proporciona um ângulo de aproximadamente 175° entre a coxa e a perna, ideais, segundo os estudos de Guimard, para proporcionar eficácia e preservar a articulação dos joelhos.

 

 

 

Usando nosso ciclista do exemplo acima, 82 cm x 0,885 = 72,5 cm de altura entre a parte superior do selim e a caixa de centro (caixa do pedivela).

Além da altura do selim, outras duas regulagens são muito importantes. Uma delas é o nivelamento. O ideal, para evitar dores no períneo, é manter o selim totalmente na horizontal, ou seja, paralelo ao solo. Uma forma de conseguir esse ajuste é utilizando um nível de bolha, daqueles que se usa em marcenaria.

 

 

 

A outra regulagem necessária é a do avanço ou atraso do selim, ou seja, quão para frente ou para trás o selim deve ser mantido. Essa é uma regulagem um pouco mais complexa e requer um fio de prumo, desses que se usam em construção civil para alinhar colunas e azulejos. Se você não tiver um fio de prumo, pode improvar um usando uma linha com um peso amarrado na ponta.

 

 

 

Para realizar o ajuste, suba na bicicleta; mantenha os pés nos pedais e o pedivela paralelo ao chão. Posicione o fio de prumo na frente do joelho e observe a linha. Ela deve passar exatamente no centro do pedal (eixo). Na foto abaixo o fotógrafo especialista em ciclismo Graham Watson demostra uma situação onde o selim está um pouco avançado, já que o joelho está levemente à frente da linha do prumo, quando este é alinhado com o centro do pedal.

 

 

 

Pedalar com o selim avançado ou atrasado pode gerar desconforto, dificuldade ou mesmo fadiga precoce, além de gerar sobrecarga às articulações.

 

Mesmo com todos esses ajustes, os especialistas alertam para que o ciclista teste várias formas, até encontrar aquela que se adapta melhor a ele. Afinal, somos todos diferentes.

 

Bem, é isso. Se você ficou com saudades da época de criança, não perca mais tempo, ressuscite sua velha companheira ou compre uma nova, siga nossas dicas e bom pedal!!!

 

 

 

Please reload

Posts Em Destaque

A Engenharia da Ergonomia - Parte 1

September 6, 2017

1/3
Please reload

Posts Recentes