© 2018 por Ergotríade Gestão de Ergonomia

  • Facebook App Icon
  • YouTube Social  Icon

Guia definitivo para implantar um Programa de Ginástica Laboral – Parte 1/3

July 30, 2016

 
Esta é a primeira parte de uma série de 3 artigos em que vamos falar sobre o Guia definitivo para implantar um Programa de Ginástica Laboral.
 

Como complemento desta série de 3 artigos sobre Ginástica Laboral, preparamos uma aula com duração de 2 horas, em vídeo, e um e-Book.

 

 

Todos os alunos da Ergotríade School tem acesso a tudo isso e muito mais.

Assine a Ergotríade School por 1 ano ou compre a aula: Guia para implantação do Programa de Ginástica Laboral avulsa.

 

 O QUE VOCÊ IRÁ APRENDER NESTE ARTIGO

Neste guia você irá encontrar as PERGUNTAS e RESPOSTAS CERTAS que todo gestor deve fazer antes de pensar em implantar um programa de ginástica laboral.

Ao final desses 3 artigos você será capaz de decidir sobre começar ou não e de gerenciar a implantação do Programa de Ginástica Laboral.

Vamos compartilhar nossa experiência adquirida ao longo de mais de 15 anos trabalhando com Programas de Saúde e Segurança Ocupacional, Ergonomia e Programas de Ginástica Laboral.

 

Além disso vamos compartilhar o constante aprendizado que as mais de 50 empresas do Brasil inteiro nos permitiu e nos permite aprender e aperfeiçoar nossas práticas todos os dias.

Para começar é preciso saber que, como o nome desse artigo sugere, a Ginástica Laboral deve ser trabalhada com um Programa, e que não deve ser visto como uma ação isolada dos demais projetos da empresa.

Pensar dessa maneira é um erro que custa caro.

 

GINÁSTICA DA PAUSA

A Ginástica Laboral nasceu por volta de 1925, chamada de Ginástica da Pausa. Países como Suécia e Japão introduziram nos ambientes de trabalho essa prática que passou a ser estudada e aperfeiçoada ao longo dos anos.

Hoje a Ginástica Laboral está presente nos mais diferentes ambientes de trabalho: indústrias, hospitais, escolas, fazendas.

O problema é que ao mesmo tempo em que a Ginástica Laboral evolui muito como ciência, alguns profissionais ainda trabalham de forma superficial e a coisa toda acaba virando perfumaria.

A garantia para que a Ginástica Laboral dê resultados, é desenvolver um PROGRAMA, e trabalhar a GESTÃO desse programa.

 

PARA COMEÇAR COM UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL, VOCÊ DEVE RESPONDER SIM PARA AS 5 PERGUNTAS ABAIXO

1. A empresa tem uma Análise Ergonômica do Trabalho?
2. Eu conheço os riscos ergonômicos da empresa?
3. Eu sei quais os setores, áreas e departamentos e os indicadores mais críticos da empresa?
4. Os Gestores sabem quais são as principais causas dos riscos ergonômicos e de acidentes do trabalho?
5. O responsável pela Ginástica Laboral, sabe quais são os segmentos corpóreos mais exigidos nas tarefas e funções desenvolvidas na empresa?

Tanto na vídeo aula como no e-Book, nós nos aprofundamos em cada uma dessas 5 perguntas colocadas acima.


Colocando nosso ponto de vista sobre a importância de pensar em cada uma delas.

Já falamos sobre as 5 perguntas que VOCÊ deve responder. Mais a diante, no decorrer dos próximos artigos, vamos falar sobre as questões que cabem a NÓS responder.

 

São elas:

1. Quem é o profissional capacitado e habilidade para trabalhar com GL?
2. É possível trabalhar com monitores?
3. Qual o tempo ideal da GL?
4. Quantas vezes por semana a GL deve ser trabalhada?
5. Que tipo de GL é mais indicada, antes, durante ou depois da jornada de trabalho?
6. GL dá resultado?
7. Qualquer pessoa pode participar da GL? É obrigatório participar?

Por hora, vamos entender alguns aspectos importantes, e que irão servir de base para responder as 7 perguntas acima. Ao final dos 3 artigos, você mesmo será capaz de responde-las ou assistindo nossa aula e lendo nosso e-Book, com certeza você irá se sentir seguro para responder a essas e outras dúvidas que surgirem.

 

Para começar, conhecer a Fisiologia e a Biomecânica do Trabalho, é fundamental para a base de qualquer Programa de Ginástica Laboral.

 

RELAÇÃO DA FISIOLOGIA DO TRABALHO COM A GINÁSTICA LABORAL

Conhecer as características e diferenças entre as fibras musculares dinâmicas (brancas) e as fibras estáticas com função postural (vermelhas), assim como identificar quais são os grupos musculares mais exigidos em determinadas tarefas irá tornar mais assertivo o planejamento e a programação do tipo de ginástica que irá trazer mais resultados tanto para as pessoas quanto para a empresa.

 

RELAÇÃO DA BIOMECÂNICA DO TRABALHO COM A GINÁSTICA LABORAL

A Biomecânica do Trabalho é uma das áreas das ciências biomédicas mais importantes na Ergonomia e com a Ginástica Laboral não é diferente.

Prova de que é importante conhecer sobre Biomecânica do Trabalho para trabalhar com GL, é que a Biomecânica permite que os profissionais que irão prescrever os exercícios da GL, compreendam antes, quais são as exigências de cada estrutura corporal dentro das tarefas e como os mecanismos de alavancas dessas estruturas se comportam ao executar determinados movimentos e ações técnicas, por exemplo.

Essa leitura e entendimento dá uma clareza absurda de todo contexto – homem máquina – para que esse profissional possa direcionar qual tipo de ação, seja preventiva seja corretiva, é a mais indicada para cada setor e atividade desempenhada na empresa.

 

A seguir damos dois exemplos práticos da aplicação desses conceitos tanto da Fisiologia como da Biomecânica do Trabalho na prática da Ginástica Laboral
 
CASO 1. Uso de enxada
 
 
 

 

Se a atividade de uso de uma enxada (atividade dinâmica), por exemplo, em que o segmento corpóreo realiza uma alavanca do tipo interfixa, exigindo mais de um músculo cuja função é a de extensão do cotovelo, no caso do tríceps, e é sabido que esse músculo é mais propenso ao enfraquecimento, o profissional pode pensar em exercícios de fortalecimento.

 
CASO 2. Uso de bombona e balde
 
 

Se ao contrário, a atividade consiste em sustentar com uma mão uma bombona de 20 Kg e com a outra um balde (atividade isométrica), para fazer a transferência  de um determinado líquido, e essa alavanca que é do tipo interpotente, exige mais do músculo bíceps, que tem uma propensão maior para o encurtamento, exercícios de alongamento são mais indicados.

 

5 COISAS QUE VOCÊ APRENDEU APÓS LER ESSE ARTIGO
  • Você já aprendeu que a Ginástica Laboral evoluiu muito desde 1925. E que para se obter sucesso, ela deve ser trabalhada como um PROGRAMA.

  • Agora você sabe quais as 5 perguntas que devem ser respondidas antes de iniciar um Programa de Ginástica Laboral.

  • Você entendeu a importância de conhecer os conceitos da Fisiologia e da Biomecânica do Trabalho para montar a programação dos exercícios da Ginástica Laboral.

  • Você viu 2 casos práticos da aplicação desses conceitos da Fisiologia e da Biomecânica do Trabalho na escolha do tipo de exercício que será ministrado.

  • A partir dos casos apresentados, você passou a ter uma visão mais crítica, compreendendo que cada tarefa e/ou função, devem ser analisadas e trabalhadas de forma individual. E que a Ginástica Laboral muitas vezes não pode ser trabalhada em um pátio, com todas as pessoas de diferentes setores, expostas a diferentes exigências biomecânicas, fazendo o mesmo tipo de exercício.

O complemento desta série, o artigo 2 de 3, será publicado na próxima semana.

Como foi dito, todos os alunos da Ergotríade School, tem acesso a aula sobre GL, com duração de 2 horas, em vídeo, e ao e-Book.

 

Assine a Ergotríade School por 1 ano ou compre a aula avulsa 

Você concorda com o que falamos até aqui? Acredita que esse é o caminho certo? Ou tem uma opinião diferente?

Deixe seus comentários.

Abraço e Vamos Pra Cima!!!

Please reload

Posts Em Destaque

A Engenharia da Ergonomia - Parte 1

September 6, 2017

1/3
Please reload

Posts Recentes