O que é LER e DORT?


Dentre os desafios enfrentados na organização do trabalho está em assegurar condições que minimizem os riscos do surgimento de doenças entre os trabalhadores provenientes de sua atividade laboral, sendo que a saúde no trabalho é um tema que atravessa Eras e até hoje pauta discussões de governos, empresas, entidades sindicais e organizações como a OMS.


A ergonomia organizacional, com seu campo de conhecimento multidisciplinar, atua nas empresas organizando o trabalho de forma que a atividade laboral esteja de acordo com as condições psicofisiológicas do funcionário, impactando assim diretamente na segurança do trabalho, saúde e bem estar do mesmo.


Sua importância fica ainda mais clara quando observamos que uma boa parte das doenças relacionadas ao trabalho tem relação com atividades repetitivas, como é o caso da famosa Lesão por Esforço Repetitivo (LER), que chegou a ser apontada como uma doença epidêmica devido ao seu vasto alcance mundial.


Existe diferença entre LER e DORT?

Diversos fatores podem levar ao comprometimento de estruturas dos tendões, estruturas musculares e ligamentos, no entanto, quando as causas desses problemas estão associadas a movimentos repetitivos em alta frequência, são realizados em postura incorreta, possui alta intensidade, não há tempo de adaptação e/ou recuperação adequada é então associada a Lesão por Esforço Repetitivo, antiga LER, que devido a sua importância permaneceu como LER/DORT.


Em 1998 o INSS introduziu o termo DORT (Distúrbios Osteomusculares Relacionadosao Trabalho), conceituando-o como “lesões por esforços repetitivos como uma síndrome clínica caracterizada por dor crônica, acompanhada ou não de alterações objetivas (...) em decorrência do trabalho, podendo afetar tendões, músculos e nervos periféricos” (Ordem de Serviço nº 606/1998).


Dessa forma é possível entender que LER e DORT estão associadas as mesmas relações de doenças, sendo que enquanto a primeira pode ser ocasionada por diversas atividades não relacionadas à atividade laboral, como mexer no celular, por exemplo, a DORT refere-se apenas aquelas cuja causa tenham relação com a prática do trabalho.


Para um olhar desatento a diferenciação dos nomes pode ser de menor importância, uma vez que no fundo tratam da mesma doença, contudo é importante ressaltar que esta diferenciação é imprescindível.

É notório que passamos grande parte de nossos dias no trabalho, porém não a sua totalidade, logo o trabalhador em seus momentos de descanso está exposto à realização de movimentos repetitivos em posição ergonômica incorreta e assim desenvolver LER a revelia de sua atividade diária.


Se porventura nesses casos fosse diagnosticado incorretamente a DORT isso poderia a vir causar mudanças na organização do trabalho que modificariam a posição ergonômica corretajá existente e que não afeta a saúde do trabalhador, de modo que sem observar oscuidados necessários o quadro poderia vir a se agravar no futuro.


Logo entendemos que causas diferentes necessitam de ações diferentes, para ficar mais claro vamos imaginar a seguinte situação: um auxiliar de escritório que passa sua jornada diante do computador desenvolve uma tendinite devido ao intenso uso do celular.


Quando vai ao médico é “diagnosticado com DORT”(lembrando que DORT em si, não é uma doença) e após o período de afastamento médico, volta as suas atividades onde encontra um posto de trabalho que permite utilizar o computador com a postura correta, e a empresa permite e incentiva as devidas pausas de recuperação, no entanto continua com o hábito de utilizar o celular sem respeitar regras básicas de ergonomia: variação de postura, posição mais confortável e principalmente pausas de recuperação, os sintomas irão aparecer novamente.


Nesse exemplo acima, embora a empresa demonstre preocupação em garantir condições ergonômica e consequentemente a qualidade de vida no trabalho, seus esforços foram inócuos, uma vez que não era a atividade exercida pelo auxiliar a causadora de sua doença.


Mais do que diferenciações de nomes, apenas, LER e DORT estão relacionadas ao mesmo quadro de doenças. O indivíduo pode ser diagnosticado com: tendinite, tenossinovite, bursite, síndrome do túnel do carpo, e essas patologias podem estar dentro da classificação de LER ou DORT. Devido ao peso que o termo LER possui é comum no meio técnico a utilização em conjunto, ficando: LER/DORT, porém como foi exposto neste artigo, existe uma diferença conceitual importante entre as duas definições, sendo imprescindível o enquadramento correto para a adoção de medidas corretivas, preventivas e administrativasmais acertivas.


Ficou com dúvidas ou possui alguma sugestão? Deixe um comentário!


Até o próximo post e Go ahead, together!


Este artigo foi escrito por:


Omar Alexandre Ferreira, sócio fundador da Ergotríade, é Fisioterapeuta do Trabalho, Engenheiro de Produção e Mestrando em Ergonomia e Rodrigo Cirino de Souza, sócio co-fundador da Ergotríade, é Engenheiro de Produção e Comunicador Social.

Posts Em Destaque
Posts Recentes