© 2018 por Ergotríade Gestão de Ergonomia

  • Facebook App Icon
  • YouTube Social  Icon

Como melhorar sua Performance de Gestão nos próximos 90 dias, independente de verba – Parte 1

July 30, 2016

Estamos na segunda semana de janeiro, temos um ano inteiro pela frente. Mas, muitos ainda não sabem como serão os resultados para esse ano, outros imaginam que não será muito produtivo, e poucos tem convicção que 2016 será incrível.
 

Seja qual for sua crença esse artigo tem como objetivo lhe ajudar a tomar a direção do negócio e obter melhores resultados, independente de dinheiro em caixa.


As dicas a seguir não possuem uma ordem de prioridade e podem ser trabalhadas simultaneamente.

 

Dica 1. Crie padrões.

Tão importante quanto atingir novas metas e padrões é consolidar o que já existe. Nem sempre é possível criar normas de segurança sem investimento.

Como cobrar que o funcionário não utilize aquelas faquinhas improvisadas na produção, se a empresa não fornece um estilete retrátil?

Utilizando esse mesmo exemplo, você pode reforçar e padronizar o uso da bainha que já foi fornecida e certificar-se de que todas as “faquinhas” não possuam ponta.

 

A descrição acima é apenas um exemplo, cada caso é um caso, cada empresa tem sua cultura. Não estamos aqui falando sobre o ideal e sim do possível dentro de um padrão de segurança.

Na ergonomia existem dezenas de equipamentos e condições que muitas empresas possuem, mas que não são cumpridos ou utilizados por todos os funcionários justamente por falta de um padrão ou procedimento adequado, vamos ver alguns exemplos:

 

1. Uso do manipulador a vácuo (“chupa saco”).

 

 

 

A empresa investe no equipamento, mas os funcionários não tem a percepção do quanto é importante utilizá-lo ou acreditam erroneamente que irão perder tempo na operação. Nesse caso basta seguir a regrinha básica:

– Identificar a necessidade (através de uma Análise Ergonômica do Trabalho).
– Testar, validar, disponibilizar e treinar.
– Fiscalizar e cobrar o uso.

 

2. Uso correto do banco semi sentado.

 

 

Um banco semi sentado custa de R$ 350,00 a R$ 750,00.

10 equipamentos como esse custam aos cofres da companhia de R$ 3.500,00 a R$ 7.500,00. Vamos considerar que a indicação do uso foi acertada, o que muitas vezes não é, o que se vê em 80% dos casos é o não uso ou o uso incorreto, como por exemplo, utilizar o banco como cadeira.

 

3. Uso de talhas / Ponte rolante para transportar cargas com peso acima de 15 Kg.

 

O limite recomendável de 23 kg para manusear cargas só é válido em condições ideais. Para saber mais leia nosso artigo >> QUAL O LIMITE DE PESO RECOMENDADO: LEGISLAÇÃO, CONCEITOS, NIOSH E DICAS.

 

4. Ter um padrão formalizado de manutenção preventiva das paleteiras.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A falta de manutenção preventiva em equipamentos como uma paleteira manual, não só inutiliza a função esperada de tal equipamento, como se torna um desperdício do recurso que já foi investido.

 

 5. Manter uma postura correta para levantar e abaixar com cargas.

 

Muito cuidado com esse item, não adianta ter um padrão de postura adequada levantando sacos de 50 kg. O correto é ter uma Análise Ergonômica do Trabalho.
Criar esses padrões e formalizá-los por meio de procedimentos e/ou ordens de serviço, não requer investimentos financeiros e está ao alcance de todos os profissionais.

 

Dica 2. Levante os históricos.

Para enxergar o ganho é preciso parâmetro. Se você melhora, melhora em relação a alguma coisa. Se o departamento não tem uma base de dados, como saber o quanto se pode evoluir?
Ter um banco de dados com os históricos da empresa é um grande começo para qualquer gestor, seja o que já tem 10 anos de empresa ou o que está no período de experiência.

Exemplos de informações relevantes que podem fazer parte do dashboard.

1. Número de queixas no ambulatório motivados por problemas ortopédicos.
2. Avaliação dos ambientes de trabalho através das entrevistas de desligamento.
3. Levantamento dos setores com maior número de afastamentos por motivos ergonômicos.
4. Acidentes de trabalho com causas ergonômicas.
5. Absenteísmo por motivos ergonômicos.

 

Dica 3. Estabeleça metas.

O velho clichê: Para quem não sabe onde quer chegar, qualquer lugar serve, já diz tudo. A importância em estabelecer metas de maneira SMART, vai além de ter um número para alcançar no final do ano.

Áreas como: Recursos Humanos, Produção e Jurídico, tem uma relação estreita com o departamento de Saúde e Segurança do Trabalho. Se a meta for inteligente, quando se atinge um número em um desses departamentos, o ganho se reflete em outros, passando de linear para exponencial.

Exemplo:

Antes de descer a régua nos índices de absenteísmo do RH, estratifique as causas, os tipos de afastamentos do setor. Faltar ao trabalho por que perdeu o ônibus é diferente de faltar ao trabalho porque travou a coluna no final do turno. Conhecer e enxergar essa última informação faz toda a diferença, tanto para o RH como para a Produção, o Jurídico e a equipe de Saúde e Segurança do Trabalho.

Estabelecer metas não é dar um chutão de aumentar ou reduzir em 15% determinado índice. Requer olhar para os números, no mínimo, dos últimos 12 meses e dentro das condições e recursos disponíveis crescer de forma eficiente. Bater metas serve para alcançar objetivos, antes de tudo pense, quais são seus objetivos?

Os americanos adoram mnemônicas. Para metas existe um termo chamado SMART – Specific, Measurable, Attainable, Relevant, Time Bound.

 

 

Adaptando para o português, uma meta bem definida e inteligente deve ser:

Específica: reduzir os índices e absenteísmo por motivos ortopédicos.

Mensurável: reduzir os índices e absenteísmo por motivos ortopédicos em 5% em relação ao último trimestre de 2015.

Realizável: 5% é um número possível? Quais recursos são necessários para alcançar esse número?

Relevante: Essa redução impacta em um ganho de quanto para empresa?

Temporal: A redução de 5% deve ser atingida até o final do segundo trimestre de 2016, com isso deve-se buscar uma redução de 0,83 pontos percentuais a cada mês.

 

No próximo artigo iremos falar sobre mais dicas que irão ajudá-lo a ter resultados sem depender de altos investimentos como: integrar sistemas, desenvolver canais entre os departamentos, planejamento de budget e caderno de encargos.

Vamos pra cima! 2016 será um grande ano!

®Ergotríade,2016: Este texto pode ser reproduzido para fins educativos, desde que citada a fonte.

Please reload

Posts Em Destaque

A Engenharia da Ergonomia - Parte 1

September 6, 2017

1/3
Please reload

Posts Recentes